sábado, 23 de novembro de 2013

Sofás: quando vale a pena reformar?

Fonte: Mercado Livre
Bom, se você tem uma preciosidade em casa, como uma peça assinada por Jorge Zalszupin, Rino Levi, Joaquim Tenreiro, Sergio Rodrigues ou mesmo um sofá do Liceu Artes e Ofícios, em jacarandá, caviúna, mogno ou imbuia, anos 50, 60, 70, sempre vale a pena a reforma!

Isso porque esses móveis são lindíssimos e de qualidade indiscutível e, saiba, você tem uma pequena 'fortuna' em mãos!

Fonte: Mercado Livre
Feitos em madeiras nobres, como o jacarandá, ou caviúna, mais design elegante e funcional, enfim, são peças clássicas que jamais caem de moda, além de serem extremamente confortáveis.

Geralmente, também, são sofás grandes, elegantes e clássicos, que ficam bem em espaços também grandes, amplos, onde possam "brilhar".

Você vai precisar de um excelente estofador, para que o trabalho fique perfeito!

Quando me mudei para minha atual casa, reformei um Jorge Zalszupin, modelo Skeleton, que ficou sensacional. 

O Sr. Júlio, estofador da melhor qualidade, fez um trabalho excepcional com meu sofá, revestindo-o em couro ecológico preto. 

Ficou tão bom que não dá nem prá acreditar que é um sofá que tem mais de 50 anos!

Jorge Zalszupin, modelo Skeleton com sapata. 
Fonte: Thomaz Saavedra

Jorge Zalszupin, modelo Skeleton. 
Fonte: Mercado Livre
Fonte: Mercado Livre
E como escolher o novo revestimento? 

Esses sofás eram revestidos geralmente em couro. Mas, não é nada ecológico revestir sofás em couro hoje em dia. 

Assim, uma boa opção é o couro ecológico, mas escolha fornecedores de boa qualidade!



Se optar por tecidos, algumas dicas:
  • Se você tem pets, cachorros e gatos, evite o veludo, pois ele fica cheio de pelos. Lembre que capas são uma boa opção para casas com crianças e animais domésticos, pois podem ser removidas e lavadas com mais frequência. O próprio estofador que fizer a reforma pode confeccionar um jogo extra de capas, se você pedir. 
  • Escolher tecidos com teflon aumenta a durabilidade do sofá e facilita a limpeza. Também é possível mandar a peça, depois de estofada, para 'teflonar'.
  • Tecidos como linho e algodão estão sempre na moda e trazem um ar mais 'natural' para a decoração. Para testar a maciez, passe a amostra de tecido no rosto ou no pulso, e sinta o toque. 
  • Sofás que tenham pouco uso podem receber revestimentos mais nobres, como sedas e adamascados, mas para os que têm uso diário, escolha os tecidos mais resistentes, como camurças, linhos, algodões e jacquards. 
Agora, reformar sofá 'porcaria', do tipo que se vê à venda em lojas populares, não vale a pena! 

Isso porque, mesmo os de 'grife' (nem tão boas marcas assim, mas famosas) a estrutura é ruim, em geral feita de madeira de qualidade duvidosíssima e o design deixa muito a desejar. 

As vezes até são bonitinhos, mas tipo 'modinha', que passa rápido, não vale o investimento de tempo e dinheiro.

terça-feira, 19 de novembro de 2013

Culinária cardio friendly


Hoje comi no almoço uns sanduichinhos de 'pan de miga' de 'jamón, queso roquefort y nueces' que estava divino! Eu nunca havia comigo um sanduíche com nozes, e achei a ideia bacana, vou adotar com outras nozes quando voltar prá casa. Já estou pensando numas combinações bacanas, que devem ficar ótimas também.


OBS: Minhas comidas são cardio friendly, procurando reduzir gorduras animais e sódio. Esse não é um blog de culinária e, assim, nem sempre haverá receitas, só o modo como fiz. Não me preocupa EM NADA o número de calorias. Se você não consegue olhar para uma imagem de comida sem pensar em calorias, procure ajuda de um psicólogo com urgência! :-D

segunda-feira, 18 de novembro de 2013

Brechó vale a pena?

Fonte: http://www.brecho.me
A resposta para a pergunta do título desse post é bem objetiva: depende! :-)

Explico. Comprar ou vender suas coisas em brechós pode ser uma experiência e tanto. Com aspectos bons e ruins. Depende de tanta coisa!

Embora esteja "na moda" falar em compras em brechó como sinônimo de economia, a prática nem sempre é econômica mesmo, e está bem mais ligada às ideias de estilo e exclusividade do que à de economia. Mesmo nos brechós online.

Para comprar em brechós é preciso, além de um senso apurado de moda e estilo, para reconhecer boas aquisições, ter disposição de enfrentar uma "maratona" até encontrar algo realmente bom. Mais que uma opção barata de compras, ser comprador(a) em brechós exige atenção, paciência e frequência. Sim, pois nem sempre será no primeiro brechó que entrar que encontrará a peça dos seus sonhos. Só que, sem entrar em nenhum, isso nunca vai acontecer, não é? Portanto, boas compras em brechós são feitas, em geral, por frequentadores de brechós assíduos, que têm bons conhecimentos de moda e tendências, bom gosto, e paciência para enfrentar lugares nem sempre bonitinhos...

Como as peças são exclusivas, ou seja, não há muitas delas ou, quase sempre, são únicas mesmo, pois é difícil encontrar duas ou mais peças iguais, porque os brechós compram suas mercadorias de pessoas, não de lojas, vale a pena se você gostar disso, de exclusividade, de ser diferente. Geralmente não há fast fashion em brechós, ou a "roupa da moça da novela". Embora alguns brechós também tenham lotes de pontas de estoque de coleções, isso não garante que vá encontrar a peça que você viu na vitrine da loja, nem variedade de números etc.

Saber selecionar e escolher é uma 'arte'! Em brechós essa 'arte' é apurada. Porque um conjunto vintage pode precisar algum ajuste, ou mesmo visitação à uma boa costureira, para ficar adequado ao uso. Nem sempre é 'comprar e usar'. E isso pode custar bem caro, se você não souber costurar, ou não tiver quem faça por bom preço. Boas costureiras estão raríssimas!

Com acessórios acontece a mesma coisa. Bolsas e sapatos, por exemplo, se precisarem de muitos consertos, não valem a pena. A não ser que sejam de algum material especial, raro, ou de alguma coleção X de um estilista famoso ou que você queira muito a peça. O preço de consertos desses itens anda tão absurdo, e encontrar um bom sapateiro é tão difícil, que o risco de ter uma tralha atravancando seu espaço é maior que o benefício da compra!

Fonte: http://www.dobrecho.com.br
Com bijuterias, óculos etc. acontece o mesmo. Garanta-se de saber como aproveitar a "pechincha", ou o risco de jogar dinheiro fora é grande. Exemplo: Eu já comprei um colar pavoroso, por um preço absurdamente baixo, por causa das contas de murano dele, lindíssimas, dos anos 50, em perfeito estado. Desmanchei todo ele, retirei cola e metais velhos, lavei as contas maravilhosas e fiz com elas um colar sensacional, exclusivíssimo, que tenho até hoje, e que as pessoas elogiam muito.

Mas eu sei fazer isso, sei mexer com contas, colas, fechos, ferramentas e fios... Já 'ganhei a vida' fazendo e vendendo bijuterias, quando estava na faculdade. E até hoje sei fazer esses "ajustes" e sei onde comprar os itens necessários, sem gastar fortunas. Além disso, gosto exatamente do fato de serem exclusivas, únicas, de terem "memória". Se você for precisar pagar a alguém para fazer isso, pode sair muito caro! Tem que valer a pena.

Hannah, em sua formatura,
com o vestido de 50 anos,
que foi da avó.
O mesmo motivo me faz 'visitar' frequentemente o closet de minha mãe... Memória! No jantar de formatura de minha filha ela usou um vestido italiano lindíssimo, de 50 anos de idade.

Esse vestido foi de minha mãe, como disse e, com ele, minha mãe, havia ido à formatura de meu pai, 50 anos antes.

Totalmente vintage, totalmente chique e absurdamente lindo, o vestido somente precisou ser ajustado na cintura de Hannah, minha filha, coisa que eu mesma fiz, em uma tarde. E lá se foi Hannah para sua formatura, linda, em um vestido que tem meio século de história, além de ser uma obra prima da moda: ráfia italiana tecida à mão.

Já quem quer vender suas peças de roupa, sapatos e acessórios que não usa mais para brechós tem que ter algum conhecimento de moda já quando compra suas peças! Sim, pois os brechós costumam comprar somente peças boas, que tenham possíveis interessados. Peças de grife, assinadas, têm mais 'mercado', mas conhecer tecidos, tipos de costuras e acabamentos, e, principalmente, métodos e técnicas de conservação é essencial. Isso ajuda, muito, na hora de vender suas peças por melhores preços.

O que acontece é que as boas peças de um brechó são boas exatamente porque foram bem feitas mas, principalmente, foram bem conservadas! Portanto, se você não liga para roupas, lava tudo de qualquer jeito, amontoa sapatos e bolsas e tal, provavelmente não conseguirá que paguem bem por suas peças, por estarem mal conservadas ou mesmo estragadas!

Tudo deve estar impecável para a venda. Sapatos devem estar limpos e cheirosos; bolsas não devem ter rasgos, furos, forro solto; roupas não podem ter manchas, nem 'cheiros' e devem estar limpas, muito bem passadas e, quando necessário, engomadas.

Fonte: http://dezcolandobydoris.blogspot.com
Atualmente tem acontecido uma prática bem legal, que começou entre amigas, mas que já vi acontecer até mesmo em clubes e condomínios: 'Feiras de Troca'.

Por exemplo, você convida algumas amigas para uma tarde de sábado, faz um bolinho e café, e diz para elas que tragam suas peças que já não usam mais, para trocarem entre si.

Todas mostram suas peças e acertam entre si as trocas. Um sapato que não uso mais pode me render uma bolsa nova; uma blusa que ganhei da tia e não gostei pode ser trocada por um lenço bacana; posso deixar com alguém um casaco que está apertado e levar um que me sirva melhor, ou, ainda, um par de óculos que foi da minha avó "vira" uma carteira de festa, que foi da vó de minha amiga.

Enfim, muitas possibilidades, até mesmo de "feira de trocas por empréstimo", onde as peças passam 'temporadas' nas casas de outras pessoas e, depois, voltam! No mínimo será uma tarde gostosa com as amigas!

Mas, lembre-se: sempre tudo em ótimo estado, impecável! Lavadinho, cheirosinho, como novo!

quinta-feira, 14 de novembro de 2013

Como tirar cheiro de cigarros da casa?

Fonte: http://institutopedrocozzi.blogspot.com
Se você, como eu, odeia cheiro de cigarros, não precisa querer matar seus amigos fumantes por isso, sabia? Bom, eu além de não gostar de cheiro de cigarro, sou fumante, o que complica um pouco as coisas, né? :-D

O ideal seria mesmo parar de fumar, e eu estou no caminho, num programa de desintoxicação, e já reduzi 75%, mas, enquanto não paro de vez, fico testando mudos de eliminar o cheiro do cigarro da casa e das coisas.

Do cabelo, não tem jeito: só lavando. Lavo diariamente os cabelos e, não, isso não prejudica os fios. Basta lavar com produtos para uso diário e, claro, não usar secador no dia a dia.

Em ambientes internos há algumas boas dicas para tirar o cheiro de cigarros.

Numa festa, por exemplo, espalhe potes com vinagre na parte alta dos móveis, como estantes e prateleiras altas, ou com grãos de café torrado. Acenda velas anti-tabaco (que ainda trazem charme para o 'evento') e coloque arreia para gatos nos cinzeiros. Isso não deixa o cheiro de cigarro se fixar no ambiente.

Se o cheiro já está, coloque numa panela grande partes iguais de água e vinagre de vinho (1/1) e ferva a mistura por uns 20 a 30 minutos, deixando o vapor se espalhar bem pelos cômodos. Ainda fervendo, com cuidado ande pelo ambiente com a panela, para que o vapor se espalhe bem. Depois disso, abra janelas e cortinas e deixe o ar entrar pelo maior tempo possível.

Se você, como meu filho, não suporta o cheiro de vinagre, se acalme, ele sai logo, não ficando impregnado.

Nas paredes, cortinas e sofás você pode passar uma mistura de água, vinagre e amaciante de roupas (na proporção 2 X 2 X 1). Misture tudo, coloque num borrifador, espalhe e deixe secar.

Nos tapetes, espalhe bicarbonato de sódio em pó, deixe por uma noite, e aspire no dia seguinte.

Se o cheiro estiver em roupas, lave-as e, na última enxaguada, coloque um pouco de vinagre branco ou de maçã na água. A proporção é de um copo americano para uma máquina de lavar média (de 5 kg a 7 kg de roupas). Nas maiores, naturalmente, coloque mais.

Ainda em roupas, se são do tipo que a gente lava pouco, como casacos pesados, coloque saquinhos com pedras de cânfora dentro dos bolsos das roupas, e pendurados nos cabides, em seguida, cubra o cabide com um saco de lixo grande, invertido, fazendo um furinho pequeno para passar o gancho do cabide, e deixe de 24 a 48 h. Quanto mais tempo, melhor. Depois, tire os sacos e deixe a peça arejando por mais 24 h antes de guardar no armário.

Fonte: http://artesanato.culturamix.com
Saquinhos de tule com areia para gatos dentro também são úteis para deixar nos armários que e estejam com cheiro de mofo, ou umidade. Fazem o mesmo efeito de gel de sílica, comprado nas lojas especializadas, e é muito mais barato!

Para fazer, corte um quadrado de 20 x 20 de tule, coloque um punhado de areia para gatos no centro, junte as pontas e amarre como um sachê, com uma fita, ou cordão. Pendura nos cabides com essa fita. Veja na imagem os sachês de sagu, do Culturamix. Os feitos com areia para gatos ficam parecidos, e se você preferir, pode enfeitar os sachezinhos com fitas e flores.

quarta-feira, 13 de novembro de 2013

Perfumes... No banheiro? Não!

Fonte: http://saladanoiva.blogspot.com
Se você, como eu, acha lindos os banheiros de revista decorados com dezenas de vidros de perfume pode saciar sua vontade usando os vidrinhos vazios, que geralmente são lindos mesmo, com pequenos arranjos de flores, como na imagem ao lado. Também já vi misturas flores e velas, usando os vidrinhos de suporte. Além de reutilizar os vidros, diminuindo o lixo, fica especialmente bonito para uma noite romântica, por exemplo, ou para si mesma, sozinha, para relaxar. Certamente os vidrinhos vazios dão um charme extra à qualquer bancada.

Mas, se você pretende conservar a qualidade de seus amados perfumes, suma com eles do banheiro! A umidade e calor, comuns neste espaço, simplesmente podem alterar os perfumes, estragando e fazendo com que mudem de cheiro até!

Fonte: http://www.flickr.com/photos/
jennyromney/2638517636/
O ideal para armazenar perfumes é guardar em suas próprias embalagens (Isso mesmo, na caixa!), em locais escuros, frescos e secos. Ou seja, um armário no quarto ou closed é o mais indicado. Mas, se você não resiste a apreciar a beleza dos vidros e quer ter seus cheirinhos sempre à mão, arrumar numa bandeja bonita (perfume tray, como se usava chamar antigamente) em cima da cômoda sempre dá resultados ótimos!

Se a bandeja for espelhada, melhor ainda, pois ressalta as formas dos vidros.

Existem colecionadores de vidros de perfume vintage procure no Google e vai se surpreender! Há um mercado internacional que comercializa de muitas formas essas preciosidades.

domingo, 10 de novembro de 2013

Arrumando as joias.

Arrumar joias e bijuterias é uma coisa complicada, né?

Não, se você tiver os acessórios adequados!

Veja esse organizador. Simples de fazer (tem o molde abaixo), pode ser em tecido, feltro, plástico, e pode ser colocado mesmo dentro de gavetas, para separar os itens.


(Clique na imagem abaixo para ampliar o molde)


domingo, 3 de novembro de 2013

Organizando 'miudezas'...

Sabe o que são 'miudezas'?

Botões, pecinhas soltas de coisas que precisam ser coladas, pilhas sem uso (não as velhas, que devem ser armazenadas e descartadas de forma apropriada), enfim, todas as coisinhas pequenininhas que precisamos guardar, mas que acabamos perdendo, porque não temos onde guardar... :-)

Uma caixa assim, na mesinha de cabeceira, por exemplo, ajuda e muito! E, o melhor, você mesmo pode fazer a sua seguindo esse passo a passo.